OUÇAS... COM O CORAÇÃO

terça-feira, 4 de agosto de 2009

(Bis) / Solidão

Está úmido e frio aqui,
Estou quase sem forças já
Mal consigo enxergar o que outrora era uma luz
Bem, parecia uma luz.
Será que meus sentidos já me estão enganando?
A cada nova tentativa mais um deslize,
A cada nova tentativa mais uma câimbra,
A cada nova tentativa mais uma lágrima que escorre pelo rosto.
Tento estender as mãos,
Em vão são estendidas.
Tento dar mais um grito, logo após outro e outro,
Não saiu nem o primeiro.
Pensar em desistir seria pedir para morrer.
Nessas alturas talvez a última saída.
Não, não é a saída,
Enquanto houver vida há esperança.
Enquanto houver esperança há vida.
Ainda assim, preciso escapar
Está mais frio, e o poço cada vez mais fundo.

Preciso de uma corda,
Não, preciso acordar para a vida
Só assim vou perceber que quem cavou esse poço fui eu,
E com as mesmas armas que cavei posso escapar.

Quando sair daqui, estarei mais forte
É o que dizem, espero que seja assim.

Não há poço mais fundo que a solidão.

2 comentários:

Maria Lapa disse...

Que tal animar Amigo?
É verdade, a solidão é tramada, mas nunca jamais nos podemos esquecer de nós ok?
E não acredito que precises de uma corda, e esquece lá o raio do poço.
Precisas é de um ombro amigo, que te ajude a acordar para a vida (é única lembraste?)
Por isso, deixo aqui o meu ombro, apesar de longínquo!
Estás a senti-lo? Ainda bem.
E sempre que precisares dele, já sabes, chama por ele.

Beijokinhas

Maria

Maria Lapa disse...

Por onde andas Amigo?

Beijo

Maria